MINHA MULHER NA FAZENDA COM O MEU AMIGO ...

15/04/2011 20:21

 


FUI CORNO E GOSTEI

Fomos convidados para passa o fim-de-semana no belo sítio de um amigo nosso, com o qual mantemos amizade há alguns anos, mas sem nenhum envolvimento sexual. 
Era aniversário dele e o sítio estava cheio de gente no sábado. Depois de rolar muita festa, churrasco à vontade e bebidas, os convidados foram se retirando, mas alguns iriam dormir no sítio, como nós, por exemplo, e alguns outros mais íntimos.
Algumas pessoas ficaram na própria casa-sede, que era muito espaçosa. Outras ficariam em duas casas existentes no local.
Acomodamo-nos numa casa onde havia um quarto de casal e outro quarto enorme, com muitos beliches. Um outro casal se acomodou no quarto pequeno. Ficamos no quarto maior. Eu e minha esposa juntamos dois beliches, de sorte que a parte de baixo ficou parecendo uma cama de casal. Nossa surpresa foi constatar que Robertinho, um médico recém-formado e boa pinta, ficaria conosco no quarto. 
Por ser muito educado, procurou a cama mais distante da nossa e, enfim, preparamo-nos para dormir. 
Agarradinho com minha mulher, foi dando aquele tesão danado e comecei a cochichar no ouvido dela que eu estava a fim de comer aquela bucetinha gostosa e ela todo sem graça, com a presença do Robertinho, só se virou de costas, de ladinho, onde a penetrei e comecei a falar besteiras no ouvido dela, perguntando se ela queria que o Robertinho também a comesse. Ela respondeu que adoraria, mas que não tinha coragem. Bem, a semente estava lançada, gozamos e dormimos sem muito alarde. 
No dia seguinte, levantei mais cedo, tomei um banho e voltei ao quarto, onde minha mulher e Robertinho continuavam dormindo. Ao trocar de roupa, Robertinho acabou despertando, mas não deu sinal de que sairia da cama. Acordei minha mulher com um beijo e falei que iria dar uma caminhada, comunicando a ela que o casal do quarto ao lado já tinha ido para a sede do sítio e ela ficaria sozinha com o Robertinho. Ela deu um sorriso e eu a incentivei a provocar-lhe. Disse isso, dei um beijo e saí. 
Realmente, comecei uma caminhada, mas o meu tesão e a minha curiosidade estavam a mil. Andei meia hora e voltei para a casa, sem fazer nenhum barulho. Antes de abrir a porta, espiei pelo buraco da fechadura e não deu outra, minha mulher estava chupando a rola do Robertinho. Minha visão não era das melhores e eu fiquei puto da vida por não poder ver aquilo. Dei a volta, tentando espiar pela janela, mas não tinha visão. Fiquei, então, na sala, com o pau mais duro do que ferro. Até que, em dado momento, a porta do quarto se abre e era minha mulher enrolada numa toalha. Ela fez sinal para eu fazer silêncio e me cochichou que só se levantara para se lavar, porque iria dar a buceta para o Robertinho. Eu lhe falei da minha angústia e ela disse que deixaria a porta apenas semi-aberta.
Ela correu de volta pra cama e deixou mais de um palmo de fresta e, então, pude me deliciar com os dois se abraçando completamente nus, até que minha mulher montou sobre ele e começou a cavalgá-lo. Que delícia ver aquele pau enorme invadindo a bucetinha dela. Ficaram naquela posição por um bom tempo. Eu via minha mulher gozar uma atrás da outra, até que ele começou a gemer mais alto. Era o prenúncio do gozo que, enfim, veio e, pelo visto, muito intenso. Pararam por um tempinho, cochicharam alguma coisa e ele fez menção de levantar. Escondi-me e o vi entrar no banheiro. Minha esposa voltou pra cama dela, cansada. 
Dei um tempo e rapidamente Robertinho saiu do banho, vestiu uma bermuda e foi pra sede do sítio. 
Corri para a cama da minha mulher e ela estava com uma cara de safada, cabelo em desalinho e cheirando a outro macho. Primeiro ela me deu um beijo na boca cheio de volúpia, depois me deu a ordem: -“Limpa minha buceta?!?!?” Caí de boca naquela racha e praticamente bebi toda a porra que o Robertinho deixou dentro dela. Depois de sugar tudo, montei em cima dela e gozei alucinadamente. Ela gozou mais uma vez e me confidenciou que marcaram para depois do almoço mais uma trepada, onde ele disse que iria comer o cu dela. Mas isso é história para um próximo conto.