DICAS AOS CASAIS INICIANTES

DICAS AOS CASAIS INICIANTES

 

Casais iniciantes no Swing

Alguns casais nos perguntam sobre como iniciar a prática do swing. Geralmente as dúvidas são sobre como começar, como convencer o cônjuge, ir ou não a uma casa de swing, sair com outros casais, contratar profissionais, etc.

Não somos exatamente um casal experiente (nossas aventuras podem ser contadas nos dedos das mãos). Mas como somos pessoas experientes, o pouco que fizemos até então é suficiente para uma compreensão razoável sobre a prática, e talvez o relato da nossa experiência possa ajudar casais iniciantes.

Para nós existem 5 regras básicas que norteiam esse relacionamento:

1 - Casamento sólido
2 - Harmonia e concordância
3 - Experimentação – escalas: saiba dizer não e respeite os limites do seu parceiro
4 - Sexo puro – sem envolvimento emocional
5 - Proteja sua privacidade – saia sem deixar rastros

Vamos começar pelo começo...
Iniciando a prática do swing

O principal ingrediente para quem quer entrar nesse universo é um casamento sólido (Regra nº 1). O swing pode até esquentar, mas não resolve os problemas de uma relação ruim, muito pelo contrário, casamentos que não estão firmes podem, definitivamente, ruir com a prática do swing.

Há quem recomende, sim, o swing para casais “mal resolvidos”, supostamente uma senha para acabar de vez com um casamento que se arrasta e talvez abrir portas para uma nova vida, para cada um dos cônjuges. Ou seja, se o seu casamento vai mal, praticar swing pode acabar de vez com ele. Se não quer isso, o primeiro passo é reorganizar sua vida conjugal.

O perfil ideal é de casais maduros (na relação conjugal), que vivem bem, se amam, se conhecem, se respeitam, têm uma profunda confiança um no outro e gostam de sexo (entre eles mesmos, independente de swing ou qualquer outra coisa que venha de fora).

Casais assim, depois de muita conversa e consenso, podem entrar, se divertir, e sair desse universo sem maiores problemas. Nesse caso, o processo é inverso (se comparado com casais “mal resolvidos”): aumenta a intimidade e a cumplicidade. A relação fica melhor.

Não dá certo quando um quer e o outro não. É preciso harmonia (Regra nº 2). É preciso que os dois queiram praticar o swing. Pelo menos para nós, isso foi obtido definindo claramente os limites dessa relação: até onde iríamos, o que poderíamos ou não fazer, o que não seria bom para um e outro, e em que momento deveríamos sair. Isso se obtém com muita paciência e muita conversa...

E um ritmo de experimentação sem afobação (Regra nº 3). Entre os casais liberais existe uma escala de "aprendizado". Normalmente começam brincando entre si, com uso de filmes, estimuladores, etc. Se o parceiro não curte assistir um filme de sacanagem ou usar um brinquedinho (tipo vibrador), isso pode ser um sinal de que o caminho do swing não vai dar certo. A intimidade (ou a sacanagem, como alguns queiram chamar) deve começar pelo casal.
Depois vem a fase da observação que é gostar de ver os outros e se tocar também (na presença de estranhos - existem centenas de clubs onde isso é possível). Com o tempo, se sentem à vontade para eles mesmos transarem na presença de outras pessoas, depois aceitam algum toque, normalmente de mulheres bisexuais (é mais fácil a aproximação de uma mulher em função das limitações que a maioria dos homens têm). Essa é a fase do menage.

Não necessariamente ela acaba (aliás, nenhuma das fases acima necessariamente acaba). Depois de algum tempo com o menage feminino normalmente rola o menage masculino. Nessa fase, os casais ainda estão no “2x1”, e isso dá segurança a eles. O acompanhamento é muito de perto, o gozo é simultâneo (e a frustração, se houver, também). Essa fase do 2x1 tem um fundamento psicológico: é mais fácil para o casal lidar com apenas mais uma pessoa.

Nesse caminho ainda há o "sexo no mesmo ambiente", que acontece com casais que se estimulam na presença de outro casal, mas não admitem a troca.
Depois de um tempo é que rola a troca de casais, que é o swing, propriamente dito. Swingers costumam transar no 2 x 2, no mesmo ambiente, mulher de um com o marido de outra. Raramente 3 casais se reúnem (aí já é quase um grupal...rs..). E ainda tem todo um ritual para isso acontecer. Existem um monte de "pontinhas" que precisam ser aparadas para que todo esse conjunto funcione. Detalhe importante: swingers não se consideram promíscuos, por mais paradoxal que essa afirmação pareça. Para que a relação aconteça, é preciso que todas as vontades sejam atendidas, o que não é lá muito fácil. Nem todo mundo beija, nem todo mundo faz sexo oral, nem todo mundo faz anal... basta uma conversa "atravessada" e todo o conjunto desmorona. Porque? Porque estão ali espontaneamente, o swing é um "plus" na relação conjugal. Qualquer coisa negativa, que vai do mau hálito até alguém pegajoso ou insensível, é motivo para frear as intenções.
E nem todo mundo passa por todas essas fases. Existem casais que só fazem menage. Porque é aí que se divertem os voyeurs. Tem de tudo: marido que gosta de ver a mulher com outro homem, ou outra mulher e esposa idem. Existem casais que já vão direto para a troca e existem casais que não passam do sexo no mesmo ambiente.
É claro que não é possível definir uma receita: cada um reage de uma maneira própria a cada uma das situações. Não existe, portanto, uma “melhor opção”. A única regra possível nesta caminhada é experimentar e ir até onde está bom para o casal. Tá gostoso? Continua... Se não, pára... (lembra da mão na coxa, que ia subindo devagarinho até bolinar a xoxota, se possível? É um processo parecido...).
Todos temos medo e todos precisamos nos sentir seguros. Os cônjuges pensam na possibilidade de seus pares se envolverem emocionalmente com outras pessoas e isso afundar o seu casamento. Nesse sentido, existe uma outra regra básica: a prática de swing não envolve compromisso emocional. Swing é sexo puro, só isso (Regra nº 4). Quando os cônjuges percebem isso (o seu parceiro está tão somente fazendo sexo), tudo fica mais fácil. Qualquer um dos dois pode se sentir ameaçado se perceber que o outro está indo além do sexo e isso impedir novas experiências.

No caminho dos iniciantes surgem várias situações que podem comprometer essa harmonia. Uma das mais comuns é o encontro com outros casais que querem mais do que sexo. Falam isso como se fosse um mantra: “não queremos apenas sexo, mas uma amizade sincera e profunda”. Parece bonito, mas para muita gente (nós, inclusive) isso não dá certo.

Vale ressaltar que, nesse caso, existem dois universos de pessoas: algumas são absolutamente sinceras. De fato, querem gostar das pessoas, querem uma conexão espiritual, se sentem mais seguras quando estão entre amigos. Mas, existe um outro tipo de pessoa, e essa é perigosa, que pode estar querendo entrar na sua vida com propósitos escusos. Quer saber quem é você, onde mora, onde trabalha, qual o seu patrimônio, etc. Como identificar um ou outro caso? Não sabemos, e por via das dúvidas, sempre aplicamos a Regra nº 4.

Para nós, swing é apenas sexo. Assim sendo, não tem sentido essa história de amizade profunda e sincera (a única coisa profunda que a gente gosta não tem nada a ver com amizade...rs..rs..). Nós (e muita gente que conhecemos) não queremos compartilhar a nossa vida com certas pessoas, o que é completamente diferente de, eventualmente, fazer sexo com elas. Achamos que já temos muita coisa para administrar: deixar entrar alguém com uma história de vida completamente desconhecida (a nossa história foi construída ao longo de anos, não nasceu ontem) e ainda mais com um nível de intimidade como o proposto aqui (sexo) é muito temerário.

Quando nos encontramos com um casal, geralmente depois de analisar bem o perfil via internet, nos comportamos como se fôssemos velhos conhecidos... Isso vai de cada um... a nossa conversa é alegre e descontraída, rola muita piada, gracejos, etc. É um faz de contas... Isso nos satisfaz...

Fonte: swingeprazer